Pular para o conteúdo principal

Quem uma caricia não faz, não se alimenta!


Por Gilvaldo Quinzeiro


Quando homem apenas despeja na pocilga o alimento, está tão somente a alimentar os porcos, quando, porém, além de dá a comida, acaricia os porcos, eis que está a alimentar a si também!

Em outras palavras, as caricias deveriam e com urgência serem incluídas no cardápio de todas pessoas do mundo!

Talvez, a forma como tudo hoje é feito, isto é, na pressa e ‘atraentemente empacotado’, nos faça sentir como os porcos cuja comida lhes são apenas despejadas, ou seja, nos damos por satisfeitos!

Assim sendo, podemos estar sendo menos felizes que aqueles porcos que além da comida, recebem as caricias.

A violência, é sem dúvida, uma das consequências da nossa falta de caricias, uns para com outros, incluindo os casais que, na era dos aparelhos de celulares e outros que tais, raramente   trocam olhares, o que dirá então em relação ao toque e as caricias!

Voltando a falar dos porcos, é incrível que o homem tenha tornado o cão, que é um predador voraz, um dos seus principais aliados, seja na guarda da casa, seja na caçada, e tenha tido pelo porco um certo desprezo!

Talvez um velho jargão popular dito quando alguém perde o controle sobre si mesmo, a saber, “fulano está com o espírito de porco”, explique o distanciamento do homem em relação a este animal.

Ora, se uma caricia pode significar aos porcos mais do que a comida atirada a estes de qualquer jeito, a nós então, nos fariam uma enorme diferença!

Portanto, uma caricia ainda que feito à flor da pele, é um alimento que vigora o espírito e que nos torna dispostos a fazermos um mundo melhor!

“ A terra prometida” está tão somente naquilo que oferecemos como o melhor de nós ao outro!

Bem-aventurados sejam os fazedores de acaricias, pois, estes sim merecerão herdar a terra pacificada!

Tenham todos, uma semana inteira de muitas caricias!


  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...