Pular para o conteúdo principal

Uma leitura de fundo de quintal, inserção no mundo!


Por Gilvaldo Quinzeiro


Neste início da segunda década do século XXI, o mundo parece inflar-se diante da explosão iminente de tanta intolerância.

A liberdade, que é uma construção coletiva, pode estar sendo tolhida agora pela intolerância de diversos matizes, não majoritária, mas em escala ascendente assustadora!

A ciência e a tecnologia, a despeito de terem melhorado a qualidade de vida das pessoas, não foram suficientes para evitar por exemplo, a crença de que nos aproximamos do Apocalipse.

No afã de quem seja a primeira a garantir a salvação, as religiões recebem mais do que dão. Muitos dos seus líderes ostentam as maiores fortunas! ‘Deus’, acredite, se transformou numa espécie de moeda, e as igrejas seus bancos!

Não é nenhuma coincidência que a uma das mais terríveis intolerâncias presentes no mundo atual, seja oriunda da disputa religiosa. Milhares de pessoas neste momento estão em marcha fugindo das áreas onde ocorrem conflitos de natureza religiosa.

Na política, então, a intolerância é mesclada com o conteúdo racial, cultural e econômico. Basta ver as propostas de alguns candidatos à sucessão presidencial, dos Estados Unidos por exemplo ou no Parlamento Europeu.

Até no esporte, a intolerância de torcedores para com outras torcidas; de torcidas para com jogadores negros e de outras etnias – tem estado presente – maculando o espírito esportivo!

Enfim, todos cheios das suas verdades, porém, vazios de compreensão -  na dúvida do outro -  resta impô-la!

A intolerância, por fim, é como ‘fio dental’, quanto mais incisivo, mais exposta estará a bunda, e outras coisas que tais.  Ou seja, a que mesmo se destina?




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...