Pular para o conteúdo principal

Pois é.... o tempo é implacável!!


 Por Gilvaldo Quinzeiro


O tempo é o espelho de todas as verdades; das que escondemos debaixo do tapete, e plantamos os olhos fitos nos céus; das que fazemos dela o ‘nosso cavalo’, e andamos o tempo todo com a bunda no chão e das verdades tão doloridas para as quais não se tem tempo algum. Estas últimas são as que verdadeiramente nos aguardam para os ‘acertos de contas’!

Quem de nós, umas tantas mentiras que acreditamos ser, vai enfim, ficar de pé quando o espelho do tempo se trincar?

Imagine o seguinte: alguém em plena academia de ginástica, onde todo mundo ‘rala’ para manter a forma física e imagética, e de repente, ao se olhar no espelho ou ao ouvir um comentário a seu respeito que “está feio ou velho” – é de matar!

Com caso que vou relatar aqui, a pessoa ouviu de outra, pasme!, do próprio instrutor da academia – que estava ficando ‘careca’!!!

Bem, a pessoa acima aludida, eu a encontrei num banco de praça nesta semana, com o qual passei a travar uma conversa.  Um jovem de 22 anos, mas que quando o conheci   tinha 17 anos. Um jovem cuja aparência eu gostaria de ter! – mas não a sua cabeça!

Pois bem, a sua queixa, a do jovem acima citado, entre outras, ‘queda de cabelos’, “estou ficando careca”, disse em lágrimas, e me mostrando uma tênue abertura em volta a uma abundante cabeleira. Depois de ouvi-lo atentamente fiz a seguinte reflexão:

“Meu jovem, do que tu te queixas? Nada vejo em ti para tão pesado pranto! Saibas lidar com as perdas. Este é um sinal da passagem do tempo. Tu também já não tens mais aquele rosto dos teus 17 anos. Isso acontece também com a nossa pele, e com os nossos cabelos. Veja a cor dos meus!!

Dito isso o jovem arregalou os olhos, e passando a mão nos cabelos, me respondeu como se   tivesse despertado de um pesadelo: “É mesmo”!!! Agradeceu-me e saiu.

Imagine o tempo e a energia desperdiçada por este jovem (por este jovem!!!), com esta preocupação!!! Este é o tempo perdido em ‘verdades sem pé e sem cabeça’!!! Outra coisa, os cabelos caem sim, inclusive quando nos ‘entupimos’ de preocupações – muitas destas preocupações, é bom que se diga, por coisas fúteis!!!

Por fim, um bom tempo a todos para se desfazer de todas as mentiras, incluindo aquelas de que “não temos nada a perder”!

Viva bem tecendo e juntando os pedaços que sobrarem desse mesmo instante! Siga em frente se refazendo das suas ‘verdades’!


Boa sexta-feira!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...