Pular para o conteúdo principal

As dores, os andores, e os ‘santos de barro’


Por Gilvaldo Quinzeiro


Vi monstros. Minha fé no ser humano, em geral, está debilitada, e preciso recuperá-la”. Esta frase é do juiz Luís Carlos Valois, ao se depara com a situação do presídio onde ocorreu o massacre entre os presos em Manaus.

 Este é o ponto de partida da nossa reflexão de hoje, onde vamos falar exatamente da ‘fé’, não da fé, que remove montanhas, mas, daquela quebradiça, que nos faz todos de ‘barro’.
A afirmação do juiz acima citado, precisa ser levada em conta. É aquilo que venho chamando atenção reiteradamente: em que ‘diabo’ nos transformamos?

Aliás é bom que se diga que nunca o ‘diabo’ foi tão necessariamente ofendido nos atos tipicamente humano, e que a ele imputamos a culpa!

Ontem, em pleno culto matinal na Igreja Mundial do Poder de Deus, em São Paulo, o pastor Valdemiro Santiago Oliveira sofreu uma tentativa de assassinato por parte de um dos seus auxiliares, Jonantan Gomes Higino. No momento haviam cerca de 15 mil pessoas. O pastor foi socorrido, e passa bem. No momento da ação, segundo o pastor, estava sendo dado um testemunho de um milagre por um fiel.

Também ontem, só que a tarde, na cidade de Caxias, numa das festas religiosas mais tradicionais, o levantamento do mastro de São Sebastião, por muito pouco não houve uma tragédia, dado o número de várias ocorrências policiais, incluindo roubos e depredações de bens particulares, como portas e janelas de algumas residências, e até uma viatura da PM,  entre outras. Segundo testemunhas, a polícia teve que ser chamada para conter os envolvidos nas ocorrências.

Ora, meus irmãos, se já não somos mais capazes de nos comportar conforme se exige   um ato religioso, qualquer que seja ele, então, onde mais vamos nos comportar?

Fico a imaginar como serão as festas carnavalescas diante da situação que aqui esboçamos. Que as nossas autoridades repensem a sua realização, pois, o quadro se encaminha para o caos.

Sim, meu senhor juiz, estamos vendo ‘monstros’! E todos eles saídos do mesmo útero, qual seja, do atual quadro social. É claro, que a sua gestação não foi de uma hora para outra, mas enfim, levou um certo tempo para ser ‘engenhado’. E agora começa a dar os seus primeiros passos!

Portanto, quando enfim, se perde a ‘fé’ no homem é um claro sinal de que já estamos há tempo jantando a cabeça do outro em plena escuridão!  Humanamente falando, nunca a fé foi tão quebradiça, principalmente quando os ‘santos’ duvidam da sua santidade.


Uma boa segunda-feira a todos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Medicina cabocla

Gilvaldo Quinzeiro





Coceira nenhuma é igual a do “gugumim”, pra esta não tem água morna, quente ou fria: só o gargarejo de “malva do reino”!


Noite adentro, quando se escutava o pilãozinho sendo socado, era menino precisando passar por alguma esfregação, seja com azeite de mamona ensopado num algodão, seja com um dente de alho esquentado nas chamas de uma lamparina!


Nos casos mais graves de dor de barriga, se recorria ao sarro de cachimbo passado em cruz. E ai do menino metido à besta que se recusasse tal procedimento da medicina cabocla  – o cinturão estava já bem às vistas!...

O máximo que se poderia dizer era: mamãe!...