Pular para o conteúdo principal

Uma reflexão sobre o corpo, e os outros lugares desabitados por nós


Por Gilvaldo Quinzeiro


Nada será como aquilo antes. Tudo será como o que agora emerge.  Isto é, sem feições definidas, e de contornos espectrais. E o que somos? Nada além rachaduras de um tsunami coletivo: o afrouxamento de todos os amarradios civilizatórios até então vigentes.

O assunto aqui iniciado não será fácil conduzi-lo, dado ser um material ‘poroso’, com muito esburacamento. E assim sendo, poderá nos atrair a próxima fenda traiçoeira. Ora, mais o que significa a queda, o espatifar-se, quando se sabe que não há nada mais no chão?

O dito aqui não significa dizer, no entanto, que estamos levitando. Não. Não é isso. 
Estamos tendo experiência de uma ordem fantasmagórica, a começar pelo próprio corpo, que já não mais se ‘encaixa’ em nada. Aliás, o corpo tem apanhado muito, porque lhe falta exatamente uma ‘cabeça’!

A violência é em grande parte o resultado desse ‘arremessar’ desta coisa chamada corpo! A cabeça, que eu arranco do outro, pode ser um sinal de que tenho procurado a minha em outrem, uma vez que não a encontro em mim mesmo. O dito aqui abre um fosso enorme. Estou ficando deveras assustado!

O que temos visto é uma sociedade capaz de remodelar todo o corpo esteticamente falando, tudo isso em nome de uma beleza padrão, portanto que vem de fora; porém, incapaz de habitá-lo. Ora, isso é borrar a maquiagem com um choro que vem “não sei nem de onde”.

Em outras palavras, o corpo tem sido um ‘lugar’ desabitado; é uma caverna do porvir.

Sempre que eu abordo este assunto, me vem como referência os egípcios antigos, em especial, a sua ideia de eternidade ou a materialidade destas em suas edificações, como as pirâmides, por exemplo. Mas também sobre as formas físicas de seus deuses!

Por que será que os deuses egípcios possuíam a forma hibrida? Talvez, penso eu, por serem mais difíceis de esquecê-las...

Ora, nestes tempos de memórias eletrônicas, pergunto: onde está o nosso corpo ou onde está quem nele deveria habitá-lo?

Finalmente, a mais perigosa das fendas é a que vou abrir agora: O corpo que nos falta pode ser o que nos foi roubado pelas ‘mães bonecas’ – aquelas que fazem de tudo para serem mães apenas de sua beleza.

Enfim, de quem ‘diabo’ é aquela mão que não se cansa de ser a minha?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...