Pular para o conteúdo principal

O divisor dos mundos: o mundo dos muros!


Por Gilvaldo Quinzeiro


Uma das coisas mais emblemática desse século XXI, que ainda não atingiu às suas duas primeiras décadas, e que sutilmente ganha formas, contornos e discursos, mas que pouca gente se dá conta, é a necessidade da construção de muros. Este parece ser um dos aspectos, que define a face do mundo atual, qual seja, o da divisão.

É bem verdade que a construção de muros remonta a milhares de anos. Ver as muralhas de Jerico e a muralha da China, por exemplo.  A questão aqui colocada não seria relevante, se os muros erguidos não acontecessem exatamente em nossa época. Em pleno século XXI!  Que mundo é este, onde, ao invés de se derrubar todas as barreiras, que separam os povos e suas culturas, erguem-se muralhas?

O fato é que em todo o mundo acentua-se a divisão entre os grupos étnicos ou religiosos; políticos ou ideológicos; culturais ou econômicos.  E a ‘solução’ para isso, segundo alguns Chefes de Estados é a construção de muro.

A começar pelo novo presidente dos Estados Unidos, agora de posse do cargo, Donald Trump, que reiterou em seu discurso aquela que foi uma das mais polêmicas das suas propostas de campanha – a construção de um muro na fronteira do México! A tal promessa, poderá colocar os dois países em rota de colisão, sobretudo, no tocante ao ponto em que, segundo Trump, a construção do muro será paga pelos mexicanos.

O clima entre os dois países já está provocando seus efeitos, como por exemplo, os mexicanos estão boicotando o consumo dos produtos dos Estados Unidos.  É esperar para ver os desdobramentos desta emblemática questão!

Na tentativa de barrar a invasão de imigrantes vindos da Síria, todos fugitivos da guerra, a Turquia vai concluir neste ano, a construção de um muro de cerca de 911 km. Outros países devem seguir esta mesma tendência.

Mas, o que mais me chama atenção neste aspecto, é a decisão do Governo do Rio Grande do Norte, em construir um muro, ainda que provisório, para separar as duas facções rivais existentes no presidio de Alcaçuz. Um muro dentro de outros muros, e ainda assim, não será suficiente?

Estamos sim, ficando cada vez mais com medo um do outro. E se esta   moda da construção de muro pega, então, não vai sobrar pedra sobre pedra. Todo mundo vai erguer sua muralha, incluindo aquelas que deverão separa ‘os cães dos gatos’.

É muita briga por pouco osso!

Ufa!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...