Batidas na porta: quem será?

Gilvaldo Quinzeiro



O que de nós ficou no “quarto escuro”, enquanto fugíamos, permanece lá aflito a espera do nosso retorno: a nossa criança interior! O nosso não retorno, porém, implica não só na condição de “adultos fugitivos”, mas, na de uma criança à mercê do escuro de si.


Na porta quem bate? Um de nossos fantasmas ou eu mesmo a me socorrer?

Comentários

Postagens mais visitadas