O desabotoamento da violência

Gilvaldo Quinzeiro





O útero que gera toda a violência, também nos torna pai. De modo que não há como ensinar os nossos filhos a ter “prazer” naquilo que em nós era só a ejaculação precoce!


Ora, nos tempos de hoje, o prazer que se sente, quando não grudado aos olhos dos outros, é da ordem da não estética. E, como a primazia dos nossos tempos apressados não é a interioridade, mas a exterioridade, todo o gozo é pra fora.

Dito de outro modo, o prazer não está em senti-lo, mas, apenas em ser visto gozando. Ou seja, é o olho do outro que, quando em nós, é a plástica!...


Quanto à violência, não é outra coisa, senão as nossas “genitálias” expostas. Do contrario, como explicar tanto gozo em matar?

Comentários

Postagens mais visitadas