Pular para o conteúdo principal

MULHER




Gilvaldo Quinzeiro





1 – Falar de mulher no  Dia Internacional da Mulher é antes de tudo um ato Filosófico, Poético e Político.



2 _ Filosófico porque, a natureza feminina é tão complexa e enigmática, quanto o “vir-a – ser”, de sorte que tal natureza bem que cabe a fundo torna-se um objeto de estudo da Filosofia. Mas, não de quaisquer filosofias, mas daquela que no mínimo seja humilde para reconhecer que não há outra verdadeira filosofia senão aquela que tenta desvendar a cabeça das mulheres.



3 – Poética porque sendo a natureza feminina enigmática, se faz por si mesma  cobiçada pelos mais aguçados e íntimos desejos  que alucinam as mais duras e racionais das mentes - estes,  como poetas loucos se atiram ao mar para abraçar o inatingível, assim como é inatingível a natureza poética das mulheres.



4 – Político porque, quem negar a força e o poder das mulheres ao longo de todas as épocas, desconhece a face que simboliza todas as mudanças e revoluções presentes no nosso tempo.



5 – Dito isso inicialmente, o que me resta agora para falar da importância das mulheres?



6 – Resta-me, pois, pedir que lembremos das mulheres iraquianas, afegãs e libanesas que desejaram muito ter fugido para bem longe das bombas num tapete persa.



7 – E se por acaso estas lembranças nos incomodarem de verdade, então que peçamos a Deus que se apresse, do contrário outras meninas moças nunca virão a ser como vocês mulheres.



8 – Lembre-se também das mulheres que lavam roupa nas águas sujas do riacho São José cujas filhas tatuam o corpo com o óleo da castanha de caju que dói que dói!...



9 – Lembre-se das mulheres que moram no fundo “do buraco fundo” que é fundo. À noite quando despertam de seus outros pesadelos fazem amor sobre a esteira, pensando ser a outra que faz a mesma cena numa rede de TV.



10 - Mas, vocês mulheres são tão fortes tanto na dor, quanto no amor que brota que o mais valente dos guerreiros das mais remotas tribos cai aos teus pés para terem seu sangue estacando por vós.



11 – Mulher sejas sempre mulher, ainda que os que filosofam contra ti, o fazem pela simples falta em si da sua porção mulher...



12 - Aliás, mulher, o útero que deu à luz o universo, é tão feminino, que só os sem-úteros ousariam pensar num mundo essencialmente masculino!

Felizmente mulher, eis o X que faz da dança cósmica, a mais pura e melódica poesia, que, cientificamente  falando na é a água a prova para a existência de vida neste ou noutros planetas, mas a sensualidade que brota por entre os poros do teu corpo-cósmico, mulher!



13 - Mulheres, um Feliz Dia Internacional da Mulher!





                                                      




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...