Na fala há que não é palavra. Um diálogo com o nosso silêncio gritante!



Por Gilvaldo Quinzeiro


Na fala há o que nos arremessa. É impossível, pois, falar sem se lançar também com as palavras. O ato de falar se assemelha a uma janela aberta. Não há como contemplar a vida através desta, sem se atirar por ela. Portanto, o sujeito que fala é silencioso, enquanto aquele que grita é o que com a fala se arremessa – para longe daquilo que a própria fala em si não lhe representa.

Em outra palavras, na fala há que é vômito. E neste há aquilo que é o melhor do sujeito. Mas como compreender que também nos arremessamos pela boca, se quando esta estando fechada, nos escapulimos pelos poros?

No sujeito há aquilo que não se “palavrisa”. E aquilo que não se “palavrisa” é da ordem do que não vive. Porém, isso não significa dizer que aquilo que não se vive, não vive em nós para sempre.

Dito com outra palavras, o não vivido, vive em nós para sempre. Não como o não vivido, mas como aquilo que vive em nós a espera de ser vivido. Ora, o não vivido é a “despalavra” que só se “palavrisa” quando vivido. Portanto, no sujeito há aquilo que lhe escapa!

Está vendo aquele “espantalho” lá no canto? – Sou eu habitando fora de mim!





Comentários

Postagens mais visitadas