Pular para o conteúdo principal

Eu conto do Natal, na voz do caboclo

Gilvaldo Quinzeiro



O nascimento



Era uma vez, numa noite escura e fria na distante cidade de Belém, enquanto os homens dormiam, apenas os animais assistiam o nascimento de um rei.



O trabalho de parto, realizado sem as mínimas condições foi feito milagrosamente pela parteira mucura que, como recompensa de Nossa Senhora recebeu a graça de não sentir a dor de parir, uma vez que seus filhotes se desenvolvem numa bolsa pelo lado de fora. E assim nas primeiras horas da madrugada do dia 25 de dezembro:



O galo: - Jesus Cristo nasceu!


A vaca: - a onde?


A ovelha: - em Belém!


Enquanto isso, os outros animais não satisfeitos com o acontecimento põem em ação um plano macabro.


O pato: Esfola! Esfola!


O capote: Traz a faca! Traz a faca!


O peru: Logo, logo! Logo, logo!


Portanto, o que era uma festa para uns, tornou-se numa ameaça para outros. O rei Herodes que naquela mesma noite tivera um pesadelo é acordado pela algazarra feito pelos bichos. E imediatamente grita seus soldados para matar toda e qualquer criança do sexo masculino que nascera naquela noite.

A Sagrada Família, , José, Maria e Jesus estava correndo sério perigo. Caso permanecesse no mesmo local onde nascera Jesus seria facilmente descoberto pelos sanguinários soldados de Herodes. A solução é fuga para outro país – o Egito.



A fuga para o Egito

 
Às pressas para o Egito, seguindo atalhos e enfrentando perigos, mais uma vez a Sagrada Família foi assistida pelos animais. Estes por sua vez, não mediram esforços para ajudar o menino Jesus, nosso senhor. Cada animal prestou ajuda conforme as circunstancias e as suas potencialidades.


O jumento serviu de montaria para a mãe santíssima e nosso senhor Jesus Cristo. Para evitar qualquer desembesto, São José segue na frente puxando o jumento pelo cabresto. De repente um choro: é o menino Jesus fazendo pipi. No lugar por onde escorreu a urina santa ficou a marca de uma cruz no pescoço do jumento. Por isso, o jumento é considerado por todo nordestino como um animal sagrado.

As fogos-pagou que de manhã bem cedo cisca no meio do caminho atrás de comida, cuidaram de apagar as pegadas deixadas na areia escaldante do deserto pela família de nosso senhor. O beija-flor que é considerado a “galinha” de nossa senhora ofereceu seu ninho feito de algodão para que o menino Jesus se abrigasse do sol do meio-dia.



E seguindo viagem, à beira de um riacho, onde José e Maria mataram a sede; lavaram os pés e o rosto, além de efetuarem o segundo banho no menino Jesus. As lavanderinhas se aproximaram da família e se prontificaram de lavar as peças de roupas usadas pelo nosso senhor menino. Eis que neste ínterim surge o tamanduá que ali mesmo nas águas claras daquele riacho efetuou o batismo do menino Jesus.



No dia seguinte, sabendo de que as tropas do rei Herodes estavam se aproximando, um casal de pombos voa rápido e informa a Jose e Maria do perigo que os cercam. E sem ter para onde ir, a família se hospedou na casa de joão-de-barro num quarto bem escondido, escapando ilesa a perseguição. O martim-pescador que morava perto dali, trouxe preso no seu bico certeiro uma piaba que serviu de refeição para José e Maria que já estavam famintos. A preguiça que passava o dia todo num galho de árvore se ofereceu como vigia da estrada espiando quem subia ou descia.



Após superar mais esta ameaça por parte das tropas do rei Herodes, a Sagrada Família pode enfim seguir viagem. E, no dia seguinte já quase que chegando na fronteira com o Egito, se depara com um lavrador que estava semeando à terra. Nossa Senhora quis saber o que o lavrador estava plantando e este respondeu:

- Estou plantando arroz.!

Nossa Senhora observando a sinceridade com a qual o lavrador a respondeu se dirige ao mesmo dizendo:

- Que arroz seja!



Imediatamente as sementes de arroz começaram a se desabrochar, crescerem e brotarerem o cacho. Antes de partir,  nossa senhora pediu ao lavrador que se por acaso lhe aparecessem os soldados à procura de uma mãe com um recém-nascido que este respondesse ao mesmo que tais pessoas passaram sim, mas no dia do plantio do arroz.



No dia seguinte, o lavrador maravilhado com o acontecimento reuniu toda a sua família e deu inicio a colheita do arroz. Eis que de repente surgiu à galope milhares de soldados empunhando lanças nas mãos, um deles, o comandante da cavalaria se aproxima e pergunta:



- Vocês por acaso viram uma senhora montada em um jumento e levando um recém-nascido nos braços?



O lavrador por sua vez respondeu:

Vi sim. Só que eles passaram por aqui quando eu ainda estava plantando este arroz que agora estamos colhendo.



Os soldados, olhando entre si e constatando que se transcorreram meses desta passagem, receberam ordem do seu superior e retornaram. E assim Maria, José e Jesus conseguiram chegar ao Egito sãos e salvos!

Feliz Natal!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Medicina cabocla

Gilvaldo Quinzeiro





Coceira nenhuma é igual a do “gugumim”, pra esta não tem água morna, quente ou fria: só o gargarejo de “malva do reino”!


Noite adentro, quando se escutava o pilãozinho sendo socado, era menino precisando passar por alguma esfregação, seja com azeite de mamona ensopado num algodão, seja com um dente de alho esquentado nas chamas de uma lamparina!


Nos casos mais graves de dor de barriga, se recorria ao sarro de cachimbo passado em cruz. E ai do menino metido à besta que se recusasse tal procedimento da medicina cabocla  – o cinturão estava já bem às vistas!...

O máximo que se poderia dizer era: mamãe!...