O homem e a cratera: em comum só a fome?

Gilvaldo Quinzeiro



O homem e a cratera nascem da  dor que rompe. A dor que rompe é da natureza das pedras que afundam no fundo. O homem, quando quase já em pedra pela dor, faz desta a imagem que cura. A cratera quando se abre pelas pedras que despencam das encostas, faz destas a imagem que devora a fé mais faminta de cura!



O homem adentra a cratera para se desvencilhar do fundo que lhe escapa. A cratera quando adentra o homem o afunda no fundo sem que este lhe escape.


A cratera quando ronca se desperta para avançar sobre as pedras que despencam até a cama mais próxima subir . O homem por sua vez, quando ronca se aprofunda no sono para rolar até da cama cair, ainda que bem perto de uma cratera!...


Enfim, o homem e a cratera. Um se afunda em si para romper com o fundo que lhe atola. O outro é atoleiro graças à falta de fundamento para romper em si o fundo do fundo!

No final, todos se acabam cabendo dentro do outro!

Comentários

Postagens mais visitadas