Sem palavras, o tempo é da alavanca

Gilvaldo Quinzeiro


Sem as palavras que não mais ao Sujeito alcançam, posto que aquelas a nada mais se dirigem, senão aos olhares perdidos, então, em tempo no qual tudo se soterra, só a “alavanca” nos é imprescindível.

Isso significa dizer em outras palavras, quem de nós começará a ser um novo Arquimedes?

Avança o tempo no qual as palavras são como pedras, isto é, como falar de “sensibilidade” aos que nem pele possui?

Em tempo de “febre por presentes”, o meu é ter de volta as unhas!

As suas, ainda permitem uma dentada?

Comentários

Postagens mais visitadas