Pular para o conteúdo principal

Nas asas duras do mundo, os sonhos e suas aterrissagens: uma breve reflexão sobre as faces da democracia!




Por Gilvaldo Quinzeiro



Enquanto nas ruas das cidades brasileiras continuam as manifestações, agora com a adesão de várias categorias profissionais como motoristas e médicos, lá no alto, o Presidente, da vizinha Bolívia,  Evo Morales  viveu literalmente um pânico nas alturas, ao ter  o acesso do espaço aéreo negado  para o pouso da aeronave que o transportava pelos países europeus como  a França, Itália, Portugal e Espanha, todos capitaneados pelos Estados Unidos  sob alegação de que na referida aeronave se encontrava presente Edward Snowden, o mesmo que revelou os escândalos sobre a espionagem feito pelo serviço de inteligência Norte-americana nas redes sociais.

Pois bem, este episódio revela as  duas faces da tão propalada  “democracia” Norte-Americana, a saber, uma com a qual os Estados Unidos intervêm nos governos considerados por estes como sendo ditaduras, e a outra, pela qual estes olham para si mesmo, isto é, o uso de dois pesos e duas medidas, de sorte que o peso maior sempre tende para o lado dos seus interesses que, diga-se de passagem que nem sempre  corresponde aos interesses do mundo.

Isso tudo sem falarmos  no caso de Julian Assange, fundador do site WikiLeaks, que, há um ano se encontra refugiado na Embaixada do Equador, em Londres. Pasmem!  Ambos os casos estão relacionados com o uso de “informação”; informação esta que para o governo Norte-Americano ninguém deveria ter acesso! Que paradoxo, não?

Mas, continuando o nosso voo panorâmico pelo mundo,  os militares acabam de dar um golpe e assumem o governo lá no Egito. Resta saber se o novo governo irá tolerar as manifestações do povo egípcio em plena Praça Tharir, ou,  se a democracia por lá não terá mais face alguma?

Enfim, e, agora aterrissando no Brasil;  neste instante em que “todas as faces” estão nas ruas, a da democracia corre algum perigo?  Plebiscito ou referendo: como será a nova face política do Brasil?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...