Pular para o conteúdo principal

A peleja do segundo turno está para além dos nossos sotaques!

Por Gilvaldo Quinzeiro



A “seca” por votos  no segundo turno  das eleições presidenciais, Dilma X Aécio, volta a ser solo fértil de discriminação contra os eleitores nordestinos. Mais uma vez, as redes sociais são encharcadas de comentários ofensivos de todos os níveis em relação ao Nordeste, bem como o parto dos mais diferentes discursos – todos em carne viva pela fome da mesma verdade.   È aqui, pois,  onde “calangos” e “tejos” travam uma velha peleja em tórrido chão. Explicar isso à luz apenas da semântica é camuflar a realidade em que só os camaleões sobrevivem!

 A eleição presidencial a ser decidida no segundo turno, no dia 26 de outubro, é uma peleja para além de todos os sotaques! Portanto, merece uma reflexão mais aprofundada.   

Lutar ostensivamente contra a ascensão econômica, política e cultural  do Nordeste, região esta que durante quase toda a República, ficou entregue à sua própria sorte, isto é, ora nas mãos  de cangaceiros, ora nas mãos  de fanáticos religiosos -, é pedir de volta a velha “política café-com-leite”. Mas a que Brasil interessa  o retorno desta velha política, senão a aquele que fez   da  “Republica”  uma coisa pública apenas para poucos? Quem se esqueceu de que,  enquanto o Nordeste passava fome, já em plena  Era Vargas, foram queimadas  cerca de 17, 2 milhões de  sacas de café ? Tudo isso apenas para atender os interesses dos “barões do café”!

Ao longo de todo um tempo, o Brasil, e tudo que nele se desenhava politicamente, era feito pelos “engenheiros políticos” dos Estados de São Paulo e Minas Gerais  para os quais,  o  Nordeste era sua senzala, e nada mais do que isso.  Com quais mãos foram erguidos os viadutos e os arranha-céus das grandes cidades brasileiras, a não ser pelas mãos de milhares de nordestinos?

Portanto, o Nordeste deverá sim fazer diferença nestas eleições. Isso prova,  o peso político do voto dos nordestinos  que, claro, devem  votar de acordo com os  interesses da região! E nada mais inteligente  do que votar com os olhos focados na realidade regional. É aqui, na terra do nosso  dia a dia, onde apenas “prometer a terra”, faz toda a diferença!

Se no primeiro turno,  “os secos” pela fé quiseram  mudar o rumo das estações, no segundo turno, porém,  não se engane, haverá quem  queira cuspir na nossa plantação,  alardeando que o período chuvoso chegou. Em outras palavras,  a fundura do poço político é mais embaixo. O solo das mudanças é pedregoso e cheio de emboscadas. Portanto, preparem as cabaças e encham-nas com toda água possível.  Devemos, pois,  nos preparar para o acirramento da disputa eleitoral! Ser nordestino é ser forte o tempo todo, especialmente, no tempo das mais brabas das  secas. Por que agora vamos fraquejar?

Votar em  Aécio pode até servir de discurso de   mudança – mas qual? Ao do “retorno”, no qual  a maioria das casas de milhares de eleitores eram iluminadas à luz de lamparina?  Por outro lado, anular o voto é  alimentar um discurso outro – o narcísico  – e com ele abrir feias feridas! Votar em Dilma, portanto, não obstante, a todas as criticas que se cabem fazer a ela e ao seu partido  - é  a opção que de fato mais  nos afina com o mesmo sotaque!








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Medicina cabocla

Gilvaldo Quinzeiro





Coceira nenhuma é igual a do “gugumim”, pra esta não tem água morna, quente ou fria: só o gargarejo de “malva do reino”!


Noite adentro, quando se escutava o pilãozinho sendo socado, era menino precisando passar por alguma esfregação, seja com azeite de mamona ensopado num algodão, seja com um dente de alho esquentado nas chamas de uma lamparina!


Nos casos mais graves de dor de barriga, se recorria ao sarro de cachimbo passado em cruz. E ai do menino metido à besta que se recusasse tal procedimento da medicina cabocla  – o cinturão estava já bem às vistas!...

O máximo que se poderia dizer era: mamãe!...