Pular para o conteúdo principal

Uma refelxão sobre o fim dos dias da criança


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

A criança. Há milhares de anos atrás, um casal fugia para o Egito com toda  a pressa possível  para garantir a proteção do seu único filho, das ameaças de uma certa “ordem vigente”. Em jogo,  toda uma infância que desencadearia com toda  uma história. A criança, enfim,  conseguiu chegar   lá no Egito, assim, como seus pais, sã e salva. E quanto, a infância de hoje, quem salvará dos interesses sutis, mas reais, em acabá-la? A infância ainda não acabou? Eis a reflexão do nosso texto de hoje. Que dia é hoje?

Dia 12 de outubro,  dia da criança. E os outros dias do ano são de quem? De quem disse que só um dia do ano, é o “dia das crianças”! Que absurdo, não?

O dia das crianças é todos os dias do ano!  Mas, como?  E os presentes? Os gastos? O presente, verdadeiro se faz com  a Presença – dos pais, principalmente! O resto é pacote, etiqueta, fita, cores, sons, pirulitos  e outros que tais, entendeu,  meu filho?

Ora, que discurso retrógado  é este? Assim vão se fechar  todos os shoppings, os cinemas, as lojas de doces e de chocolates! Isso é uma afronta à economia! O mundo vai acabar? Meu Deus!

Que seja! Que se quebrem os modelos econômicos! Que se fechem todos os armazéns e fábricas! Que se acabe este  mundo!

O que de fato não se devem  acabar nunca – são   os quintais com seus cheiros e plantas ;  os terreiros de casa a nos convidá a sentar no chão,   e sobretudo ,  a afetividade no meio familiar! Mas não foi exatamente isso que se acabou? Sim, e com isso, a infância também!

Meu Deus, a onde estávamos?

Só agora eu me dou conta de  que a infância é à base que sustenta todo o adulto, ou seja, a fase para a qual se deveriam se voltar todas as atenções! Mas, como, se só temos “um dia para a criança”. E os outros?

Sim, os outros dias do ano,  o MEU  tempo é para EU dedicar aos meus NEGÓCIOS ; a minha faculdade; o meu MESTRADO, a vida PESSOAL! EU também sou gente, SABIA?

E quem vai cuidar da FAMILIA? Das CRIANÇAS?

Ah!  MEU Deus está no CONTROLE!  EU faço MINHAS  orações TODOS OS DIAS!

Ora, ora, minha amiga se você não tem TEMPO  nem para fazer COCÔ direito, orar COMO? A quem? Pra quem?  Eis o PARTO  fácil, mas sem luz alguma!

Mas voltando, ao Egito – MÃE  de todas as nossas tradições ou a fonte que saciou as sedes de todos os peregrinos das nossas vidas desertas. É no Egito  Antigo, pois,  que estão cravadas a mais bem sucedida experiência sobre O TEMPO. Do tempo ETERNO, se é possível,  assim,  se dizer.

Eh, meu rei, pelo jeito teremos que  fazer também a nossa fuga, e com  mais urgência para o velho Egito. Do contrário, quais desses nossos MENINOS irão se transformar em nosso SALVADOR?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

De grão em grão se faz um espelho: você!

Por Gilvaldo Quinzeiro

O espelho é assim: até que você enfim se reconheça, tudo é você imerso em tudo.
Porém, nem se apresse demais, e muito menos seja por demais tardio no ato de reconhecer-se, pois, de tudo isso, você não passa apenas de um fragmento!
Acalme-se!
Seja enfim, e inteiro nesse fragmento, o todo lhe agradecerá imensamente!
Há um problema, contudo, e que espero que seja apenas um modo de dizer: é saber realmente quando este espelho nos apresenta trincado!
Uma coisa é certa neste atual momento: precisamos fincar bem os olhos em tudo! Tudo é: nós mesmos até de fato sabermos quem somos!
Por fim, dialogue e aprenda mais com qualquer grão de areia: isso lhe fará mergulhar profundamente no mar da sua existência!