E ai pinto, já cantando como galo? Um breve discurso sobre a “casca” de cada coisa no seu tempo!


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

O ovo, o pinto e a alavanca: cada um é uma coisa no tempo com a sua “casca”; rompê-la antes que pelo próprio tempo seja escavado – é não ser coisa alguma, senão a “coisa gora”.

O ovo no seu tempo não espera pelo pinto, e nem quando a sua casca se rompa, dele se dá conta. Ou seja, cada coisa, e há tantas coisas contidas pela sua casca, vive pelo seu próprio “ciscar”. O pinto, então, antes do tempo de ser o galo, há de se contentar com o que leva ao bico do seu “ciscar”.

Quanto, a alavanca quando num canto, vive a sua casca, aguardando o tempo de sua ferrugem. O seu “ciscar”, porém, já fez o homem se sentir o mais poderoso dos galos!

E Pedro, quando teve que negar por três vezes o seu Mestre, se sentiu como enfim, em que “casca” – a que contém o ovo no tempo em que o pinto era só a sua calda ou a que o galo deveria ter desejado antes ter sido apenas um ovo goro?

Contudo, há aqueles, e este é o nosso tempo, que se sentem tal e qual a uma velha e esquecida alavanca cuja casca de agora é a sua ferrugem!

A questão, a ser colocada, meu pinto, é se você neste tempo já sem “casca” alguma, negará na presença do velho galo, o ovo que foi e sobreviveu junto ao mesmo canto da alavanca?

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas