Orai por quem caros irmãos: pela superlotação dos presídios ou pelas nossas escolas cada vez mais vazias?


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

 

Neste tempo onde se reza pela pressa da construção de mais presídios, e onde os cânticos e orações são feitas ardorosamente sobre as cabeças de quem já devorou outras, é um sinal de que as portas deste mesmo tempo e sociedade – nunca tiveram abertas para a educação!

Conclui-se, pois, se hoje padecemos da realidade da superlotação dos presídios, realidade esta que não é só do Maranhão, é porque existe uma outra – aquela em que a escola não se fez “aberta” para evitar o que hoje, abrir mais presídios signifique a garantia de que não se perca mais cabeças!

Sinceramente caro leitor, por aqui não haverá mais tempo para se aprender, senão o de se contar com quantas cabeças perdidas, se erguem os muros evitando com isso, a construção de outros só de cabeças!

Se hoje os olhos arregalados do mundo, pedem as nossas preces, é porque não tivemos pressa nenhuma para nos dá conta que somos prisioneiros de uma ordem, político, social e econômica para a qual, “quanto pior, melhor”! Em outras, palavras, só acordamos nas nossas tragédias, e, tragédias piores virão, quando a realidade de dentro das nossas escolas, se fazer ouvida apenas pelos gritos dos seus fantasmas!

Ora, afinal como falar agora de educação, se o que se passa pelas nossas cabeças é o medo avassalador de ficarmos sem?

Portanto, este é o nosso “século XXI” naquilo em que para nós, tudo é ainda tão novo quanto o foi para o século XIX!  

Então que nos venham com pressa todas as preces? Mas preces por quem caros irmãos – tudo já não se faz tão tardio?

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas