Em nome das coisas, o anuncio das profecias. Na minha, não são os dias, mas as noites que virão!


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

As noites que virão, farão bem quem bem conhecer seus “fantasmas”!

 Ora, o homem que se põe a caminhar não terá encontrado nada, quando lá no final da sua estrada, não tiver feito dos seus “fantasmas” o melhor das suas companhias. Isso, no entanto, não se aprende em nenhum livro, mesmo os folheados a ouro – isso é se atrever atravessar o fundo do fundo de si mesmo!

Aliás, um esclarecimento sobre as “noites”. Nestas, na verdade, sempre estivemos mergulhados, ocorre, entretanto, que as vimos como a chegada do amanhã. Contudo, as que ainda estão por vir, nos afundarão nos seus escuros. A vantagem desta noticia, uma profecia, em outro tempos, é que já estamos todos cegos!

Platão, com toda a sua clarividência eclipsou-se contudo, no que se diz respeito, a luz que imaginou ser a dos dias de hoje!

Oh! Quanta escuridão!

Zé Ramalho. Seu  Avôhai.  Ibiapina. Antônio Conselheiro. Severino e todos os que ergueram a mão   do Pau de Colher, bem como em outros lugares neste sertão empoeirado -  gente que esteve do outro lado do mundo-  isso aqui não é um repente, embora de repente, é algo da natureza de um cordão!

Que saudade de pisar arroz no pilão!

 Pois bem, prestem atenção: as noites que virão, sentar-se-ão quem com seus fantasmas tiver coragem para tomar um café; enquanto outros sentarão a sua sentença por não poderem comparecer, quando naquelas noites só se farão presentes quem com seus fantasmas!

Que saudade das conversas acesas entre as trempes apagadas!

Amém?

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas