Pular para o conteúdo principal

Quando o que nos abocanha é a nossa própria boca acrescentada as coisas


Por Gilvaldo Quinzeiro





Não é a “boca da cabaça” que nos faz sentido, mas a nossa própria boca acrescentada àquela. Ora, o que é então a realidade que “conhecemos”, senão a contemplação das nossas vísceras no mundo! Em outras palavras, “o bicho” que me faz correr o tempo todo, pode não ser aquele que está do lado de fora, mas aquele  que há muito tempo faz de mim seu habitat.

Portanto,  “boca da cabaça” seria tão inofensiva, se o sentido de abocanhamento contido nela, não nos fosse pertinente. Isto é, se não fosse inerente ao nosso abocanhar.  Hans Standen (1525-1579), aventureio alemão, que o diga, pois,  quando  este se tornou reféns dos índios tupinambás,  percebeu o quanto o chacoalhar  de uma cabaça nas mãos daqueles guerreiros, os transformavam na “boca” prestes a lhe abocanhar!

Pois bem, o dito acima é  para dizer o quanto estamos sentados  sobre nós mesmos, a despeito de uma realidade outra que se levanta, e  para a qual, não passamos de sua “digestão”. Ora, sentar sobre si mesmo é dizer que estamos atolados nas nossas próprias merdas!

No domingo, o programa do Fantástico, da Rede Globo  exibiu uma reportagem sobre uma comunidade mística, no Santuário do Roncador, no município de Barra do Garças, Estado do Mato Grosso – uma espécie de templo fincado dentro de uma gruta. Uma gruta o que é senão, uma boca? – a boca da terra abocanhando os nossos gemidos! Uma boca que nos chama: “filhos venham cá”? Ou cá entre nós é melhor que calemos a nossa boca, enquanto os nossos ouvidos engolem?

A questão é: a rigor  somos uma cabaça! E a boca é a que nos escancara? Ora, isso nos faz remeter a Platão e o “Mito da Caverna”. Quantas “bocas” há na nossa República esquecendo que os outros também têm barriga!

Ah! Sábios mestres que nos venham de onde vierem antes que sejamos devorados pela comida da nossa própria boca!






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...