Pular para o conteúdo principal

Sem o Sarney, o Maranhão fica. E o que agora se “finca” é pelo Maranhão?



Por Gilvaldo Quinzeiro





A saída de Sarney, pai e filha,  da política, sobretudo da disputa eleitoral deste ano, enterra umas coisas,  e ressuscita outras. Mas longe de significar, uma “morte anunciada”, pelo contrário, os que viverem, verão  que o inverno ainda não passou, talvez, o inferno é o que ainda está porvir.

Ora, os que esperavam viver para ver pela  “política Sarney morrer”,  acabaram morrendo de surpresa com a sua  “viva saída”.  Ou seja, com uma mão Sarney se despede da política, e com a outra, finca uma cena: “do Maranhão ninguém me tira”!

Em outras palavras, o Maranhão agora “fincado”, não significa, o “enterrado”, mas o que gestará dos seus intestinos, novos urubus – carniça por aqui está sobrando! Para muitos, entretanto, uma velha cantiga fará muito sentido: “o meu boi morreu, o que será de mim”? Para outros, nem os sermões do Padre Antônio Vieira. Enfim, não passamos mesmo de “calambanjos”!

Quando um peixe “morre pela boca”, diz as velhas profecias para se ter muito cuidado com o estado da água, pois, pode  ser que “a lama lá do fundo,  agora boia na superfície”. O anuncio feito pela própria boca de Sarney da sua não pretensão de candidatar-se, gesto este, seguido pela filha, no mínimo altera a química do aguaceiro da nossa política – alegria repentina dos “peixes miúdos” – mas pelo jeito é agora que as águas  turvas vão rolar!...

È claro que eu não tenho pena nenhuma de Sarney, mas daqueles para os quais, Sarney foi a sua “fonte viva de inspiração”, a exemplo, os  que para falar tão bem de si, falava  tão mal de Sarney, deste  sim, eu tenho pena!   No mais, tudo é galinha, no berço dos dinossauros!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...