Pular para o conteúdo principal

Hórus e Lampião: para que ‘diabo’ tantos olhos?


Por Gilvaldo Quinzeiro



“O olho que tudo ver”, assim como o de Hórus, o nosso também está sendo penosamente arrancado – no mito egípcio foi Seth que arrancou o de Hórus –, já na nossa espinhosa realidade há alguma dúvida acerca de quem cegou o nosso?

Lampião, “o rei do cangaço” perdeu um dos seus numa peleja no sertão. É neste particular que este se fez de ‘Hórus’ para os olhos acesos de muitos. Ou seja, do que adianta ter os dois olhos sãos se para os espinhos da realidade somos todos cegos?

Este texto é um olhar inspirador sobre o mito egípcio e uma comparação com a nossa realidade, que está a demandar por uma visão apurada, se possível, um ‘terceiro olho’, pois, só os dois não estão dando conta. Veja por que.

Hoje pela manhã, enquanto fazia o meu habitual passeio pelas ruas da cidade, fiquei atento a uma cena que se repetia em quase todas as lojas, inclusive nas bancas dos vendedores ambulantes, qual seja, todos os seus ‘atendentes’ de olhos fixos em seu aparelho de celular!

Todos ‘cegos’ para o mundo em sua volta! Todos de ‘olhos abertos’ a uma realidade ilusória – que nos reduz a mera condição de ‘espantalhos espectadores’!

Que ‘deus’ é este que ao contrário de nos abrir os olhos, os fecham para a realidade vívida? Isso é mito ou realidade?

Na verdade, eu já tenho escrito e falado reiteradamente a respeito de que estamos ficando híbridos; assim, como eram híbridos os deuses egípcios – ou quem sabe o homem egípcio(?)!

Isso não significa dizer, entretanto, que estejamos mais ‘preparados’ para os desafios da vida, isso apenas significa, entre outras coisas, que precisamos de ‘olhos’ para enxergar não só a complexidade da realidade em nossa volta, mas, sobretudo, o ‘bicho’ que possamos vir a ser!

“O olho que tudo ver”.  Quão é oportuno se comparar um mito (mito aos olhos de quem?), em especial, egípcio, com a realidade que nos cega!

O Egito Antigo é misteriosamente fascinante!  Só o fato de trabalhar com a categoria do “olho que tudo ver”, já merece toda a nossa atenção e respeito.

Ora, isso nos remete não a leitura compulsivamente livrescas, como as que estamos habituados a fazer, mas a leitura de mundos e situações não habituais!

Por fim, já pensou Lampião, “o rei do cangaço”, que era cego de um olho, com o outro ‘fixo’ em quem não era o perigo!









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...