Pular para o conteúdo principal

O barro do qual o amor é pote, e a água, o ódio!


Por Gilvaldo Quinzeiro


Este texto é um mergulho nas coisas pelos quais os alquimistas eram ‘úmidos’ e profundos. Uma espécie de artesão no labor dos mais preciosos vasos e joias: o ‘barro’ da nossa alma!

Como farei isso? Simples! Com todos os ouvidos!

Assim como nos dias dos alquimistas, tudo hoje é ‘broto’ – saliência do porvir. A começar pelo penteado das novas gerações. O bizarro é apenas um sinal de que perdermos, de algum modo, as referências!

Nestas condições, ‘o bizarro’ também é barro com qual se constrói as coisas - sejam que coisas forem. Das coisas que jamais devemos usá-las como medidas. Das coisas que como medidas somos.

Das nossas muitas bizarrices, muitas têm sido em nome do ‘amor’ ou daquilo que por ‘amor’ entendemos. Muitos crimes, inclusive! Aliás, se repararmos bem, as páginas policiais dos jornais; estas têm servido mais de espaço aos chamados crimes passionais, do que aos crimes comuns.

Como se explica isso? Não se explica – se faz!

Pois bem, o ‘barro’ do qual se faz o pote, é o mesmo que antes serviu seu    ‘intestino’ ao fogo; sem esta alquimia, no entanto, a sua constituição seria seguramente porosa, assim como o é a mão atirada como flecha ao fundo do pote no ímpeto de matar a sede!

O ‘barro’ do qual o amor é pote e água ao mesmo tempo, é contíguo ao canteiro de obras, no qual o ódio é fincado. De sorte que, daqui, não só se ouvem as vozes dos seus disciplinados operários, como também se sentem as suas grossas mãos a misturar as massas.

Amar é fácil em palavras, sobretudo com aquelas que já são clichês.  O difícil é conter o ódio com atitudes. É aqui onde fica a cabeça da serpente ou a boca do pote!

O diacho é saber em quem fixamos os nossos olhos. Fixos, estamos – no barro-bizarro, certamente!

Os olhos, todos eles, inclusive os das serpentes, não foram feitos para estarem fixos, se assim fossem, estariam nos dedos. Mas, os das serpentes, ainda assim, como não possuem dedos – não seriam fixos!

Voltando a falar do amor, as vezes este serve apenas de pote, onde o ódio é a água. O resultado desta nefasta combinação é a sede de tudo, inclusive a de vingança!

Por fim, fique de olho em tudo, inclusive naquele que ficou fixo!




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...