Pular para o conteúdo principal

100 anos depois da Primeira Grande Guerra, estamos de novo entrincheirados.


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

O homem definitivamente não está sozinho na “trincheira” dos nossos dias. Se no passado foram os tanques de guerras que assombraram com suas performances se colocando de pé frente às metralhadoras  e abrindo passagem no meio ao que antes era intransponível,  hoje, estamos sentados sobre todo “tipo de cérebros”. A consequência disso: um tiro na velha existência!

Em outras palavras, já não é o homem que antropomorfiza a coisa, mas a coisa que coisifica o homem. Tal como os gases químicos usados na Primeira Grande Guerra Mundial, a “inteligência artificial” nos atrai e sufoca. Eis a nossa nova trincheira. Com quais armas avançaremos um palmo a frente?

A multiplicidade de um único aparelho,  nos coloca ao alcance da mão  a força criadora de um “big bang”.  Ajoelhar-se  agora para quem, meus filhos? Quão  profunda  é a coisa na qual nos afundamos!

Os anos de 1914 e 2014. Ambos marcam o inicio de um novo tempo. O primeiro, anunciava   com a matança de homens em defesa de suas fronteiras, o quanto de ferro deveria ser os novos homens.  O segundo,  inicia-se um novo tempo  anunciando por múltiplos  sinais que já não temos mais nenhuma fronteira?

Por um lado,  estamos encantados com as novas invenções. Por outro, estamos atrofiados pelos “músculos” que ganhamos  daquelas. Quem ainda se coça com as próprias mãos?

Já não são as guerras que se avizinham que nos assustam! Assustados todos estamos é com a amnesia que em nós se instala  a respeito de quem  fomos há alguns instantes atrás. Eu quem meu vistoso outro?

Estamos perdendo os  sentidos!  A visão,  diante das avalanches de tantas imagens, substitui todos os outros sentidos. Eis o motivo pelo qual ficamos tão obesos sem que nada, de fato, nos alimente!

Ora, de todas as guerras, a do “espelho” nos tira o pé do chão sem que seja  preciso dar  um tiro sequer. É aqui onde travamos a mais terrível das batalhas: morrer não é mais possível, quando o que  se contempla é “espantalho”.

Nestas condições que nos venha à próxima Grande Guerra?

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...