Pular para o conteúdo principal

O gozo afetado pelos novos afetos


 Por Gilvaldo Quinzeiro

 

 

Tudo novo. Enferrujado só os meios pelos quais se realizam os desejos. Eis uma escrita acerca dos troncos e raízes das nossas angústias. Uma reflexão psicanalítica, portanto, a respeito do “gozo”.

Quem em mim “goza”, enquanto o que me penetra é apenas o olho do Outro castigado pelas minhas ausências?  O que é a genitália na mão agora  tão ocupada  de outras coisas? Com que gozamos se o que nos abunda é a ansiedade?

O “gozo”,  portanto, está ao alcance das nossas mãos! Porém, o preço a ser pago por ele é caro demais.   O ato de se masturbar, por exemplo,  não só saiu das alcovas de antes, e se faz presente em qualquer lugar, posto que, a antiga genitália sofreu um deslocamento para os novos objetos criados com o objetivo de, também  substituir o antigo gozo. A consequência disso, não poderia ser imediatamente outra: perdemos a noção do próprio corpo!

Ora, o corpo é o arquétipo de qualquer ideia de gozo. Sem ele, perdemos também a noção de dor. Ou seja, tudo se tornou “o lá fora”. Nada se passa como sendo “comigo mesmo”. Gozar assim nem virtualmente!

Freud como nenhum outro homem, está tão vivo nos tempos de hoje. É ainda dele, o  dedo que nos aponta a cara! Porém, nós  não  somos  em nada  diferentes dos homens do tempo de Freud, isto é,  temos também  a pressa de sacrifica-lo ainda vivo!

A propósito, diz a mitologia cabocla que, quando Deus estava colocando o sexo nas suas criaturas; em todos, ele o colocou de mansinho com a mão, exceto o do porco, que se desgrudou, de modo que, num ímpeto, o criador o atirou (o sexo), como se diz, “de rebolada”, e por pouco não perdeu o alvo. Razão pelo qual o testículo do porco é colado lá em cima, ao invés, de lá embaixo como os outros animais. A questão de agora  é: que  “Deus” estará por trás das coisas pelas quais substituímos  não só a nossa genitália, como também o nosso gozo?

Na Inglaterra, por exemplo, uma pesquisa revela que as mulheres preferem chocolate a  sexo. Ora, qual o problema? Nenhum. E nem me passa pela cabeça questionar quem optou por tal decisão.  A minha intenção aqui, entretanto, é apenas chamar atenção para as coisas pelas quais  substituímos o nosso gozo.

O consumismo. Eis o que nos é dado desde criança como “seios”.  Dai a dor e o luto pela perda de um simples aparelho de celular. Os  jovens nunca se tornaram precocemente   tão “velhos” e “viúvos” por tantas perdas, como os jovens do tempo de hoje.  Para as indústrias farmacêuticas não poderia ter uma noticia melhor, pois, quanto mais remédio para a ansiedade, menos se cura o nosso já doentio estilo de vida.

Portanto, neste mundo onde  ostentação  ganha um outro corpo, amputar  os dedos apenas para ostentar um anel  é  o “gozar” que  ainda nos resta!

 

 

 

 

 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...