Pular para o conteúdo principal

A dança do atual contexto político: vamos cair neste baile?


Por Gilvaldo Quinzeiro

 

O tempo histórico  é uma mistura de dança de sapateado  com a  do ventre. Às vezes pensamos já estar fora do “baile’, quando,  na verdade,  estamos é sapateando no mesmo lugar, e  em estado de êxtase, diga-se de passagem.

Só mais um detalhe a respeito desta dança do tempo histórico: a “verdade” que é a sua  trilha sonora , é contextual, e assim sendo, só é verdade a quem tem o interesse de torná-la o ritmo dançante.

Que ritmo o atual contexto político brasileiro nos convida a dançar? Eis a questão.

Este texto foi inspirado numa fala do professor  de Ética e Filosofia da UNICAMP, Roberto Romano concedida ao programa  “Entre Aspa” da  Globo New esta semana cujo tema era “o papel da oposição no segundo mandato de Dilma Rousseff”.

Chamou-me atenção entre outras coisas na fala de Romano, a sua visão de que tanto o PT como PSDB, “precisam se unir em defesa do estado de direito”. Outro detalhe interessante citado pelo professor Roberto Romano é a notícia divulgada no Jornal Zero Hora, dando conta de que só em “Porto Alegre há cerca de 100 mil neonazistas”.

Pois bem, a fala de Romano vai em direção ao que eu já venho chamando atenção há vários dias, especialmente no  que se refere “a marcha do Brasil sobre cacos de vidros” depois do processo eleitoral.

Na verdade, o atual contexto com suas “fissuras e feridas” é o desdobramento das manifestações de rua que ocorreram no ano passado, quando da realização da Copa das Confederações. O que se ver agora, no entanto, é de fato o cair daquelas “máscaras”.

A respeito das citadas manifestações eu escrevi, assim que estas surgiram algo mais ou menos assim: “nem tudo que corre para o mar é do rio”.  Ao escrever esta frase eu queria dizer que, nem todo o clamor das ruas era de fato “em defesa da democracia ou de mudanças que viessem atender aos interesses reais do povo brasileiro”.

Portanto, ouço  vindo ainda  ao longe um som dissonante, mas que parece animar algum “baile”. Não é sapateado.  Nem a dança do ventre. È um ritmo  dado como já soterrado. Porém, pelas algazarras,  este, parece estar  bem vivo, e disposto  a colocar o país à bailar!

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A roda grande passando pela pequena

Gilvaldo Quinzeiro


No imaginário caboclo, desde a fundação de Canudos no sertão da Bahia (1893-1897), onde a seca e a fome fizeram da “fé” a enxada que escavava a solidariedade de um povo sem chão, o mito “da roda grande passando por dentro da pequena” foi sem dúvida nenhuma uma das mais engenhosas invenções da saga de Canudos.

A idéia de que uma “ roda grande passará por dentro de uma pequena,” é simplesmente assustadora e instigadora de uma reflexão. Seria esta passagem correspondente ao fim do mundo? Que roda grande é essa? Quem viverá para presenciar tal profecia?

O fato é que ainda hoje este mito sobrevive no imaginário nordestino, sobretudo no meio rural provocando apreensão e “matuteza”. Canudos ainda resistem?

Pois bem, às vésperas das eleições, o cenário montado, onde cabos eleitorais empunhando bandeiras e distribuindo “santinhos” dos candidatos, chamando atenção do povo - é de uma natureza tal que inspiraria um cordelista a escrever versos numa visão apocalíptica adver…

A FILOSOFIA CABOCLA, RISCAR O CHÃO.

Gilvaldo Quinzeiro

O caboclo quando risca o chão está pensando. Aliás, no caboclês ou no nheengatu se diz matutar. Riscar, pois, o chão com a ponta dos dedos, significa manipular com as mãos o abstrato, ou seja, pensar usando a “cabeça dos dedos”, termo bem apropriado para a filosofia cabocla. Diga-se de passagem, que a “filosofia cabocla” é única que tem explicação para tudo, do contrário o que seria o viver destes homens? “Quem não pode com a” rudia não pega no bote” - diz assertiva cabocla.
Besta é quem pensa que matuto não vive de matutar! Aliás, nas condições enfrentadas pelo caboclo, o pensamento que não corresponde à praticidade, é o mesmo que riscar o chão com o dedo para depois ter o risco apagado pelo vento, o que levou em seguida o caboclo a fazer uso de um graveto para, não obstante as intempéries continuar o seu pensar, isto é, riscando o chão.
Riscar o chão com o graveto em substituição aos dedos, não só significou apenas deixar marcas humanas mais pr…

Metáfora da natureza

A natureza....

quando ouvida no mais profundo do nosso silêncio...

nos dá ouvido

nos enraizando os sentidos... que dialoga quando se dá atenção....

nos fazendo ver além... o belo...